segunda-feira, janeiro 09, 2006
saga desejante
Sábado eu decidi que teria um dia a sós comigo. Claro que essa decisão foi tomada após constatar que as pessoas as quais eu não vivo sem estavam indisponíveis. Um viajou, o outro dedicava o tempo à demonstração fervorosa de amor e o terceiro tambem havia fugido da cidade. Pensei nas amigas, mas acho que a maioria delas estão passando por fases problemáticas e eu não queria falar sobre problemas e nem queria baixo astral perto de mim. No momento tudo que posso fazer por elas é implorar para que assistam "Quem somos nós?" e leve cada ponto a sério, transformando a física quântica em religião, mesmo que temporária.

Então, após meu chilique egocêntrico, achei que seria uma boa oportunidade para ficar comigo, para ir onde quisesse e ficar quanto tempo quisesse, observar, ficar horas tomando um café e folheando uma revista. Antes de iniciar minha saga umbiguista, eu fui almoçar com um casal de amigos, mas a amiga estava mal-humorada. Estou com medo desse não ser um ano muito favorável ao time feminino.

Fechei a noite [a primeira parte] com um filme água com açucar que me arrancou lágrimas e aquela vontade de ter uma nova história de amor. A tradução do título "e se fosse verdade" [just like heaven] não foi muito feliz, porque não traduz a história do filme [para variar]. Saí do cinema com o coração descompassado pelo Mark Ruffalo. Velhos tempos em que minhas paixões platônicas ganhavam espaço nas paredes do meu quarto.

Após isso a saga começou. Iniciou-se um movimento migratório para a minha casa, não fiz as coisas que pretendia e às 2h eu estava de toalha jogando a chave pela janela para meu amigo entrar. E lá fomos nós para se esbaldar em uma noite eletrônica com um DJ com quem eu casaria e teria filhos.

Noite ótima, divertida, dançante e com muita gente bonita à volta. Dançamos até a exaustão, tivemos nosso momento "maria pickup", o que aumentou ainda mais a empolgação do DJ gringo que sei lá o quanto está acostumado a essas manifestações tropicais.

Os pretês da noite foram desclassificados, apesar da pista estar cheia de seres com sotaques estrangeiros, pois vi que sou muito chata e que vou acabar ficando sozinha tamanha anda a minha pretensão. E isso não tem a ver com beleza e sim com gosto e estilo, pois estou prestes a terminar minha relação virtual, porque como posso investir em alguém que nunca ouviu falar em Interpol e Flaming Lips?

E a expressão agora é "maria cumbica", já que não achei expressão mais adequada para caçadoras de seres com sotaques estrangeiros. Saímos de lá com o sol despontando, mas a manhã bonita e fresca nos animou a esticar em outra festa, em que nosso queixos caíram e nossos pretês mal perceberam a nossa presença. É, o nível ficou elevadíssimo e aí a concorrência era desleal. Segui mancando no salto alto às 8h da manhã para casa, tomei um merecido banho e mergulhei num sono de Cinderela.

Postado por Desiree às 7:25 PM |



3 Comments:
Anonymous Randall escreveu...

Gostei demais de Maria Cumbica, viu? Saudade dessas minhas noites...

11:40 PM  
Blogger Ota escreveu...

o jogação boa
me convida um dia desses?

11:28 AM  
Anonymous João Galeão escreveu...

rolou uma identificação hehehe po, eu curto flaming lips. E afinal, onde você morou na escandinávia? Morei na Dinamarca em 2004 :)

11:36 AM  

Postar um comentário

<< Home