quinta-feira, fevereiro 09, 2006
segundo encontro
Raramente um "ficante" de balada ultrapassa a porta do local com você, a não ser que seja para ir parar no seu quarto e, provavelmente, sumir na seqüência. Alguns casos fogem à regra, você recebe um telefonema inesperado e então vem o [muitas vezes temido] segundo encontro.

Baladas são geralmente escuras, o que melhora a aparência de quem as frequenta. E ainda a intensa produção a qual nos entregamos para ficarmos mais "atraentes", porque como disse uma amiga, quem para a pista é porque alguma coisa quer, mesmo não assumindo nem para si mesma. O alcool dá o toque final e melhora ainda mais.

Resumindo: geralmente a pessoa com quem você fica muitas vezes não é a que você encontra no segundo encontro.

Segundo encontro é cada vez mais raro e gera uma certa expectativa. Eu tive alguns e apenas um vingou em namoro. O duro do segundo encontro é domar a nossa própria insegurança. Geralmente imaginamos ele [fisicamente] melhor do que é, o que faz a gente acreditar que ele também tem uma visão de uma pessoa que não é você [sempre achamos que ele tem uma lembrança melhor do que somos na verdade... isso sim é o nosso pocinho de insegurança].

Eu já fui para segundo encontros com as mais temíveis dúvidas. O que rendeu em namoro, eu tinha cismado que ele estava bem acima do peso, apesar de não acha-lo gordinho quando ficamos juntos, mas a camisa larga dele parecia esconder alguma coisa e escondia o que eu já imaginava, uma barriga não muito atrativa. Claro que isso não foi um empecilho para meu interesse se esvair no primeiro sorriso. Ao contrário, eu fiquei de quatro e me apaixonei. Armadilhas do coração, claro.

Tive uns encontros bem desastrosos. Uns em que eu pareci até mais do que o outro imaginou e outros em que eu era muito menos do que ele esperava. Em uns eu fugi do terceiro encontro, em outros eu acendi velinha para ele rolar e não rolou.

Uma amiga me contou que para ela o segundo encontro foi quase traumatizante. Ela estava bem nervosa com os pensamentos normais desse momento: e se ele não gostar de mim? Pois bem, assim que o encontrou, a primeira frase dele foi "nossa! como você é baixinha!".

Eu já tive todas as impressões possíveis do que acharam de mim no segundo encontro que eu falava demais, que eu era decidida demais, que eu era independente demais, que eu era feia demais, que eu era magra demais, que eu era legal demais.

Alguns valiam a pena, outros não. Hoje lendo a coluna da Antonia Pellegrino na TPM, eu concordo quando ela questiona se o amor saiu de moda. As pessoas estão mesmo cada vez com mais medo de se envolver, o que faz um segundo encontro ser cada vez mais raro. E eu romântica como sou, sofro um monte por causa desse nosso mundinho moderno & confuso.

Pergunta a um amigo, mas respondida por uma amiga:

- O que faz você fugir de alguém?

- Achar que a pessoa está se envolvendo comigo. - responde ela sem titubear

Postado por Desiree às 4:27 PM |



8 Comments:
Anonymous guetoblaster escreveu...

putz !! vou ser radical !! bando de antas humanas que andam a noite procurando algo que quando encontram fogem dela como o diabo foge da cruz,
e depois se vão a escrever que nada da certo que os homens são confusos, que as mulheres são complicada !!!
porrrrraaaaaa keep it simple stupid !!!

5:41 PM  
Blogger Ota escreveu...

Eu acho que sou mestre em segundo encontro. Sempre me dou bem, ou ponho para passear. Sem neuras.

5:58 PM  
Blogger Desiree escreveu...

Gueto, não concordo com vc. Há pessoas e pessoas. Muitas saem e querem diversão. Eu tenho minhas fases assim. Saio, encontro pessoas e não quero ninguém em especial. Não é sempre que nos sentimos fisgados e enfim, eu só vou adiante se me sinto atraída [e isso não engloba alguns itens mínimos para eu querer estar com alguém]. Tenho amigas que vão pra balada acreditando que a alma gêmea delas está lá e aí é outra história.

E eu não acho os homens complicados, ao contrário, acho os homens os seres mais práticos que conheço. Nós mulheres somos complicadas [pelo menos a grande maioria] e ponto. Acho que é isso. Ou não sei. Será que é? Sou complicada também.

7:16 PM  
Anonymous Randall escreveu...

Eu costumava ser um bom condutor de segundos encontros, mas como morava em Goiânia, sempre contava com a "casualidade" para produzi-los.

Uma vez... xavequei a menina a balada inteira e tomei uns 14 foras, mas aos 46 do segundo tempo ela mudou de idéia, acabou sendo uma boa ficada, mas no segundo encontro... ela era irmã da amiga de uma mina que eu tinha sido escrotérrimo, e entre o primeiro e segundo, ela soube coisas horríveis sobre mim.

Tou lembrando de vários outros, mas micado mesmo, só esse.

12:55 AM  
Anonymous Felipe Luiz escreveu...

muito bom, bom mesmo! voltei! beijo

1:36 AM  
Blogger Serjones escreveu...

O que mais me tortura no segundo encontro é o fato de normalmente estar muito bêbado no primeiro e não me lembrar de nada que eu disse. Pior mesmo, é quando a amnésia alcoólica chega a ponto de eu nem mesmo me lembrar do rosto da mulher no segundo encontro.
Normal: assim o segundo encontro acaba sendo o primeiro de novo.

8:42 AM  
Anonymous guetoblaster escreveu...

desiree ! não tava falando de vc !! mas vc entendeu exatamente do que eu falo !! vai encontrar a alma gemea encontra alguem ai complica tudo !! mas dizem que tem carapuça de todos os tamanhos !!

9:33 AM  
Anonymous Bernardo Deluxe escreveu...

Antigamente eu descolava muitos segundos encontros... mas depois de tanta decepção, tanto de mim pelos outro como vice-versa, eu parei com isso... se pego na balada, deixo na balada...

6:11 PM  

Postar um comentário

<< Home