sexta-feira, fevereiro 17, 2006
envelhecendo
Eu ando cheia de más intenções. Talvez eu até tenha nascido má intencionada e passado parte da vida disfarçando. Até o final da adolescência eu era pudica, cheia de preconceitos, ingênua e sempre que passava o caderninho de recordações no final do ano vinham mensagens que na interpretação soava como "que você continue essa pessoinha medíocre e ingênua".

Hoje eu estava de pernas para o ar na varanda, ouvindo Coldplay e lendo sobre a chegada da temida velhice. Eu que sou uma balzaquiana tenho de vez em quando terríveis medos de envelhecer. Às vezes me olho no espelho e me deparo com minhas linhas de expressão mais marcantes e fico desconsolada.

Depois passa, até porque em todos os outros quesitos eu me prefiro hoje. Ontem tive um almoço com amigas com quem eu trabalhei há um tempo atrás. Todas são casadas e mais velhas que eu. Enquanto eu desfio meus últimos afetos e desafetos, elas comentam suas crises conjugais. Sinto-me uma adolescente enquanto falo da minha vida agitada enquanto elas parecem preocupadas demais com o dia-a-dia.

E então eu concordo com a matéria que li que envelhecer é um processo diferente do que enxergamos. Fiquei boquiaberta com dona Elza Soares contando sobre sua vida. Que mulher é essa? Como questionou a repórter: de que planeta ela veio? Idosa, mas muito mais jovem do que muitas amigas que tenho [só para citar as que eu conheço], vaidosa, bonitona, festeira, viva. Deu até vontade de envelhecer. E como ela falou, nosso país é preconceituoso demais com a velhice. Por isso preciso ler matérias assim para sair do comum e enxergar com outros olhos a velhice. Temos alguns discursos prontos, mas na real tudo é diferente, ganha uma conotação negativa, nos deixa desconsolada.

Aí eu voltei ao banheiro e até achei minhas pequenas expressões simpáticas. Ri do meus cabelinhos curtos com presilhinhas coloridas, da boca torta pela anestesia dada pelo dentista no final do dia, os olhos curiosos, as pequenas espinhas que insistem ainda em aparecer na lateral do meu rosto esquerdo [só tenho espinha do lado esquerdo.... será alguma disfunção ou um sinal de que o lado esquerdo do meu corpo é prejudicado, incluindo o cérebro?].

Claro que depois do tapa na cara, eu resolvi brindar à minha idosa juventude e passei a noite dançando rock´n roll e claro, voltando às minhas más intenções que fez eu me divertir um bocado no último final de semana e brindar em dobro ontem.


--> ps: passem na minha delicatessen

Postado por Desiree às 2:15 PM |



1 Comments:
Blogger Ota escreveu...

Pelos poucos meses do teu blog dá pra ver que você tem mais história para contar de muito vovô por aí. E pelo jeito não pára tão cedo, hein?
beijos para você

2:34 PM  

Postar um comentário

<< Home