quarta-feira, julho 05, 2006
precisando de ajuste no "controle central"
O que eu mais admiro nos homens é sua praticidade de lidar com o mundo. Geralmente racionais ao extremo decidem rapidamente o que querem e o que não querem. Preto no branco. Poucos não se encaixam no perfil ou disfarçam muito bem.

Geralmente atraímos certos perfis que costumam se repetir. Os que não dão certo, eu tento evitar, mas mesmo assim há ainda alguns tipos que se repetem como um castigo divino [ou karma como alguns preferem dizer].

Eu tenho um imã que atrai pessoas que apenas me confundem. Eles se mostram afim, mas raramente tomam alguma iniciativa. Se, de alguma forma, eu me sinto instigada, eu tomo a iniciativa para ver qual é. Depois de uma iniciativa tomada por uma das partes, eles continuam próximos e o comportamento não se altera muito, mas muitas vezes não acontece mais nada.

Claro que isso me causa em momentos vulneráveis problemas de auto-estima, que felizmente dura pouco, mas longe da perfeição, eu tenho sim meus momentos “ninguém me quer”. Problema típico feminino, diga-se de passagem.

Abordei meu consultor sentimental sobre o que pode ocasionar esse problema na minha vida. As alternativas foram:

a) eles estão afins, mas me enrolam por algum motivo
b) eles não estão afins, mas gostam de me ter ao lado
c) eles têm medo de mim
d) eu sou do jeito que eles gostam, mas fisicamente não faço o tipo e aí como homem dá demasiada importância à imagem, eles não seguem adiante.

A resposta foi “c” e ele alegou que sou uma pessoa segura [não neste momento em que escrevo o post e dou vazão a essa neura], informada, independente e experiente. E que o brasileiro é machista demais para lidar com alguém assim, por isso eu acabo sempre me dando bem com os europeus, mas raramente me dou bem com latinos. De acordo com ele o bom nisso é que, apesar de ser um saco lidar com isso, os que ficam são "selecionados" e eu tenho mais chance de ter uma história que tem mais a ver comigo.

Não sei qual das alternativas é realmente a real e até acho que para cada “um” dos que surgiram na minha vida [e posso dizer que foram vários], há uma alternativa diferente e o que preciso no momento é me livrar das minhocas que se amontoam na minha mente. E como disse meu amigo “mulher desinteressante não faz sexo” [pelo menos não com alguém com quem gostaria], então em um dia tipicamente feminino, eu vou dormir tranqüila.

Postado por Desiree às 7:14 PM |



2 Comments:
Anonymous Tiago escreveu...

É raro uma mulher admitir essa condição, de falta de auto-estima..

..e devo admitir q de vez em quando tb faço isso. Só q as alternativas q mais se encaixam são a b ou a d. Tem pessoas q tu adora ter ao teu lado.. e se bobear tu acaba até tendo alguma coisa com elas, só p n perder essa proximidade tão encantadora.. mesmo n querendo nada.

Sorry, mas fui sincero.

6:14 PM  
Blogger Desiree escreveu...

mas concordo com vc! acho que a "b" e "d" são as mais prováveis... mas enfim, a auto-estima já tá se recuperando! e olha que nem era tpm... mas já tá passando... no fundo eu adoro confundir as coisas

beijocas

7:05 PM  

Postar um comentário

<< Home