terça-feira, abril 01, 2008
It's raining man... aleluia!
Passada a fase namorofóbica, afinal sou uma mulher de fases que raramente sabe bem o que quer, cá estou em uma fase querendo namorar. Vamos ver quanto tempo dura!

Vi-me no casulo por algum tempo por diversas razões. Fases na vida em que é melhor se recolher do que dividir sua chatice com alguém. Se precisa passar meses a fio reclamando é melhor pagar um terapeuta. Eu falo pelos cotovelos, mas nos meus momentos extremamente femininos, eu me tranco e tento nem dar muita vazão às minhas neuras, pois elas de fato não merecem. Então mergulho nas futilidades das revistas e televisão para simplesmente não pensar.

Pois bem... sair da toca representa voltar ao mundo e claro, às tentações. Eu geralmente não sou boa para lidar com elas, já que me entrego a maioria sem muito pudor.

Andei espalhando de forma bem-humorada a quatro ventos e, só faltei enviar carta registrada, que eu quero um namorado. Confesso que essa tarefa é bem divertida, porque as pessoas param, te olham e ainda ficam preocupada te levando extremamente a sério. Pensam, e às vezes passam dias, em todas as pessoas que conhecem e quem seria o seu par perfeito. Como eu tenho preguiça para isso, eu decidi dar o trabalho sujo ao amigos e eles até que andam cooperando.

Na semana passada me deparei com um casal que não só queria me ajudar, como também queria ajudar um amigo "carente". Eu sempre acredito que a história funciona bem se apenas um dos dois "interessados" sabe que tem um cupido ali trabalhando a favor dele, senão a situação se torna constrangedora. Foi assim que aconteceu. Nunca fui tão tímida quanto neste encontro, que por sorte tinha ainda um outro amigo, ou seja, o meu casal de amigos e mais dois amigos disponíveis, então não ficou uma situação forçada. Inicialmente eu não tive interesse por nenhum dos dois, pois quando você conhece alguém e este alguém está bêbado, nada além da aparência lhe convém. E conversa de bêbado não muda muito e raramente me interessa se eu estou sóbria.

Fui embora e ainda deixei a impressão que tinha rolado uma química com o outro amigo, mas meu tipo físico, que não é muito exigente, gosta mesmo de um tipo diferente.

Nesta mesma semana, também através de amigos, eu conheci um ser potencial. Este já me pegou de primeira pelo físico. Não que fosse necessariamente bonito, mas estiloso e com cara de nerd. Alto, bem-humorado, inteligente, bom gosto musical e um ótimo papo. Passamos a noite inteira conversando, rindo e dançando. Os amigos sumiram e quando me dei conta eu estava atirada nos braços do rapaz, que não tardou a sumir (não de forma tão rápida quanto parece no post, mas apenas para não me estender).

Se não bastasse surgiu um terceiro em um momento de trabalho alguém que me deu uma estremecida. Trocamos vários emails até nos encontrarmos e pelo apelido eu não sabia se era homem ou mulher. Quando finalmente o interfone tocou e eu atendi, eu sorri animada, afinal a pessoa com quem eu andava falando há alguns dias me parecia muito interessante e eu ficaria desapontada se fosse do sexo feminino.

Enquanto aguardávamos os demais para o trabalho, ficamos um bom tempo conversando, bebendo e eu cada vez mais me convencia de que ele era a pessoa mais interessante (em todos os sentidos) que eu tinha conhecido nos últimos tempos. O tipo com quem converso horas a fio e o tempo simplesmente desaparece. Fiquei uns dias pensando nele. Sabe quando você acha que é a sua alma gêmea? Que vocês sempre terão assuntos novos para falar, lugares para ir, experiências para trocar? Isso sempre é um problema...

E além dos três, ainda tem o do post anterior que também me causa frio na barriga demais, mas que achei que pela dificuldade toda envolvida foi melhor fingir que nada aconteceu entre nós.

E no resumo geral eu posso até afirmar que houve uma recíproca. O primeiro saiu para me encontrar novamente; o segundo me procurou uma semana depois; o terceiro teve que refazer o trabalho comigo porque deu problema na primeira versão e o último achei melhor me fingir de morta, além de um quinto que resolveu ressurgir das cinzas e por mais interessante que um dia ele tenha parecido, hoje acho simplesmente que não combinamos (?).

Em tempos de vacas magras, estou achando que o universo anda conspirando a meu favor. Talvez eu tenha reclamado o suficiente para ele se cansar e resolver cooperar um pouquinho. Eu estou no momento em que não sei para onde vou e no que invisto. Sei que quem muito quer, costuma nada ter, mas como passei um tempo de mãos abanando, eu não estou muito preocupada, afinal chega de chateação nesta vida!

Só posso atribuir esta bonança à chegada do outono. Espero que ele seja bem longo....

Postado por Desiree às 12:05 AM |



2 Comments:
Anonymous Susana escreveu...

Desiree, tem uma frase que eu gosto muito de repetir: as coisas boas só acontecem quando estamos de bem com a vida. Basta olhar que quando uma, basta só uminha coisa ruim nos acontecer, que despenca o deus da maldade nas nossas costas. Tb. estou há um bom tempo sozinha. E de uns meses pra cá, decidi abrir os olhos pro mundo ao meu redor. Tive tentativas que pensei serem proveitosas, mas não duraram mais que dois encontros. Tá muito difícil arranjar alguém legal pra namorado. Tá difícil até de se arranjar sarna pra se coçar. Mas não desanimo, só não me animo mais logo no começo. Sabe como é: quem já levou tombos na vida, procura sempre manter a coluna ereta. Um beijo e boa sorte.

7:28 PM  
Blogger mya escreveu...

HAHAHAHAHAH
susana
* E de uns meses pra cá, decidi abrir os olhos pro mundo ao meu redor. Tive tentativas que pensei serem proveitosas, mas não duraram mais que dois encontros*

tentei azer isso e não durou 2 minutos.

5:37 PM  

Postar um comentário

<< Home