segunda-feira, março 17, 2008
O que fazer quando uma tensão sexual se instala?
Eu não nego que sou uma pessoa sexual. Ando há bons meses trancada numa bolha gigante e nada me faz sair dela. Hoje entre um copo e outro de cerveja, meu amigo (e confidente) disse hoje que tem me achado muito apática e sem muito empenho, enquanto fujo dos encontros que me são armados pelos próprios interessados.

Ando com uns casos rasos que mal me comovem, quem dera me desperta aquele tesão de subir pelas paredes. Entre várias constatações eu cheguei à conclusão que faz um bom tempo que eu não faço um bom sexo.

No momento eu ando virando os olhos por alguém. É daquelas histórias estranhas. Alguém que está na sua vida há um bom tempo (e bota tempo nisso), mas você sempre o considerou inatingível. Bonito, gostoso, interessante, mas no seu mundinho ele sequer prestava atenção à sua existência, tanto que você chegou a brincar que ele deveria apresentar algum amigo para você. Um dia ele faz confidências capaz de fazê-la enrubescer, mas você resiste porque chega a achar que não é com você. Não são confidências relacionadas a sexo, mas da forma como a vê.

Depois disso se instalou uma alta-tensão entre vocês que há tempos não sentia por alguém. E o que você mais gosto é quando a tensão é adiada até chegar ao insuportável. E chegou. O máximo foram lábios gulosos, mãos ansiosas, corpos querendo explodir até se dar conta do local impróprio e então cada um rumar para a sua casa.

Claro que após uma depressão que pareceu infindável, sentir isso a fez sentir viva novamente. A cabeça afundada no travesseiro com uma imagem fixa na cabeça, um sorriso safado, a saída sonolenta em plena madrugada apenas pelo risco de se cruzarem, a risada nervosa entre os dois, a mão apertando a sua cintura repentinamente, as conversas e tiradas de sarro que não terminam, os copos batendo uns aos outros e brindes intermináveis, a troca de olhares e a tensão, a maldita tensão que ambos parecem não saber o porquê segurá-la. Talvez porque como toda boa história há nesta algumas coisas a serem pensadas, afinal o risco não é pequeno e talvez seja esse risco que faz a tensão ser ainda maior.

Você idealiza do quanto, se as coisas acontecerem, vai ser ótimo ao mesmo tempo que sabe o risco que isso implica, mas o que importa isso agora se tudo o que você quer é sair desse torpor?

Postado por Desiree às 10:59 PM |



2 Comments:
Anonymous Susana escreveu...

putz grilla, vc descreveu o que está se passando comigo. Adoro te ler. Susana

11:01 PM  
Blogger mya escreveu...

preciso.. preciso!

10:15 PM  

Postar um comentário

<< Home