sábado, julho 21, 2007
Precisando de alguém?
Enquanto eu estava esparramada na cama, ele estava debruçado na janela fumando um cigarro. Cigarros me incomodam, mas quando a gente se envolve algumas coisas se relevam. Eu tinha sentido que ele estava diferente nos últimos dias. Distante, talvez. Eu não saberia dizer. Aí, finalmente, ele começou a falar.

Fui pega de surpresa porque imaginei que o que o incomodava no momento era o fato de eu estar me envolvendo, mas não, era exatamente o contrário. O que pensam os homens? Raramente o que achamos que eles pensam.

Ele, que terminou um namoro recente, começou a falar que tinha acabado de sair de um relacionamento, o que fez eu concluir que ele não estava afim de encarar outro. Afinal essa é uma frase que ouvimos com freqüência. Novamente eu estava enganada. Ele contou que cruzou com a ex numa festa num final de semana que viajei e que passaram a noite conversando, mas que não rolou nada. Ufa, eu já estava ficando enciumada. Aí ele disse:

- Estou confuso!

Não sei muito o que responder nessas horas. Obviamente eu me lancei às minhas conclusões, todas precipitadas e disse:

- Se você acha que tem uma história ainda para viver com ela, vá atrás, não deixe passar.

Claro que isso pareceu a dona Poliana falando, mas enfim... meu orgulho chato não deixa eu responder de maneira diferente. E ele:

- Você não entendeu. Eu fico pensando se a nossa história irá além disso.

Ele já me pegou de surpresa alguma vezes ao me perguntar se eu tinha vontade de casar. Achei a pergunta um tanto estranha, porque atualmente ninguém mais me pergunta isso. E então continuou em suas conclusões:

- Você é independente demais e a impressão que tenho é que não precisa de ninguém.

E quem precisa? Passamos a vida querendo alguém, mas é uma necessidade? Allain de Botton iniciou seu livro "Ensaios de Amor" afirmando que nada aflige tanto o homem quanto o amor. Precisar e querer são coisas diferentes e há pessoas que não sacam isso. Eu, mesmo quando estou sozinha e feliz, sonho em ter uma história bacana com alguém. Eu não soube o que responder. O silêncio tomou conta do quarto e meus olhos reviravam atrás de uma resposta perfeita. Fiquei questionando se o que ele queria era sentir que eu tenho necessidade em tê-lo comigo. A história está apenas começando. Agora entendo um pouco a fobia masculina em relação à nossa ansiedade feminina, porque pela primeira vez eu me senti do outro lado.

Marcadores:

Postado por Desiree às 5:03 PM |



4 Comments:
Blogger Serjones escreveu...

O que pensam as mulheres? Raramente o que achamos que elas pensam.
Bem-vinda. Don't stop! E qdo pra cá, pelo menos avise. Chata! Boba! (com vc não consigo me estender em adjetivos pejorativos - ah, e não sabia q era orgulhosa)

8:52 PM  
Anonymous Chic0 escreveu...

É possível saber o que as pessoas pensam? Não...
Podemos imaginar que elas pensam algo...
E desejamos que elas pensem e sintam algo por nós ou de nós...

Os relacionamentos são sempre aventuras nas quais nos envolvemos sem saber o que vai acontecer... Você sabe muito bem (acho).

No mais... Boa Sorte!
;)

10:13 AM  
Blogger Nicholas Petrus escreveu...

gostei do que escreve, me fez pensar em mim mesmo, nas coisas que já fiz, que já vivi. Pelo jeito os seres humnos passam muitas coisas semelhantes, mas continuam se estranhando por aí...

4:24 PM  
Anonymous Anônimo escreveu...

Acessem................

www.clubedoscontos.com.br

10:37 PM  

Postar um comentário

<< Home